Pesquise aqui

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Rapidinhas com Ana Carolina



"Cantar" Canto porque é uma coisa que me acontece. Parafraseando Clarice Lispector, acrescento: Não me preocupo em entender, cantar ultrapassa o entendimento.

"Vendendo muitos discos" No fundo, vender ou não vender é uma temperatura que meus termômetros não medem. Minha febre está consignada nas canções que faço ou que gosto. Repetindo: faço aquilo que gosto. Se estou no caminho certo? 'Meu caminho é meio perdido, mas que perder seja o melhor destino'.

"As dores e os prazeres do sucesso" As dores: ser ingressada pelas canções que tocam no rádio (penso que minhas melhores canções não fizeram sucesso, com exceção de "Carvão"); ser decodificada pelos outros e tentar sempre desconstruir a imagem que fazem de mim; não ser entendida por alguns em meus propósitos; ser julgada por uma crítica muitas vezes medíocre que fazem no Brasil - inclusive com alguns críticos que querem se fazer em cima de nós, artistas. As delícias: ser entendida por alguns em meus propósitos, o tesão que é brincar com a 'persona palco', tocar no rádio.

"Fãs" É lógico que tem fã chato que implica com tudo, te encontra na rua e já acha que é teu dono, que te conhece mais que você mesmo. Não gosto muito de gente que invade, não. No dia-a-dia, prefiro privacidade.

"Amor" O amor pelo outro é o amor por si próprio. Você ama o que tem de seu no outro. Claro que é ridículo! Mas é bom pra caralho.

"A crítica" Quando vejo que o cara está criticando mal pra aparecer e fazer piadinha íntima com seus amiguinhos, fico puta. Mas quando é uma crítica, sem a tal da implicância, fundamentada, feita por quem conhece o trabalho e sabe o que está dizendo, não só gosto como escuto e respeito.

Fonte: Revista Rolling Stones, mês de maio




Nenhum comentário:

Postar um comentário